25 de julho de 2013

Uma escola chamada DESERTO

Deus treina seus líderes mais importantes na escola do deserto. Moisés, Elias e Paulo foram treinados por Deus no deserto. O próprio Jesus antes de iniciar o seu ministério passou quarenta dias no deserto. O deserto não é um acidente de percurso, mas uma agenda de Deus, a escola de Deus. É o próprio Deus quem nos matricula na escola do deserto.

O deserto é a escola superior do Espírito Santo, onde Deus trabalha em nós antes de trabalhar através de nós. Deus nos leva para essa escola não para nos exaltar, mas para nos humilhar.

Essa é a escola do quebrantamento, onde todos os holofotes da fama se apagam e passamos a depender total e exclusivamente da graça de Deus e da provisão de Deus e não dos nossos próprios recursos.


Destacaremos, aqui, três verdades importantes:

1. Na escola do deserto aprendemos que Deus está mais interessado em quem somos do que naquilo que fazemos

-Deus nos leva para o deserto para falar-nos ao coração.

-No deserto ele nos humilha não para nos destruir, mas para nos restaurar.

-No deserto, Deus trabalha em nós antes de trabalhar através de nós, provando que ele está mais interessado em nossa vida do que em nosso trabalho.

-Vida com Deus precede trabalho para Deus. Motivação é mais importante do que realização. Nossa maior prioridade não é fazer a obra de Deus, mas ter intimidade com o Deus da obra. O Deus da obra é mais importante do que a obra de Deus.

-Quando Jesus chamou os doze apóstolos, designou-os para estarem com ele; só então, os enviou a pregar.

2. Na escola do deserto aprendemos a depender mais do provedor do que da provisão

-Quando o profeta Elias foi arrancado do palácio do rei e enviado para o deserto, ele deveria beber da fonte de Querite e ser alimentado pelos corvos.

-Naquele esconderijo no deserto, o profeta deveria depender do provedor mais do que da provisão. Deus o sustentaria ou ele pereceria.

-Deus nos leva para o deserto para nos mostrar que dependemos mais dos seus recursos do que dos nossos próprios recursos. É fácil depender da provisão quando nós a temos e a administramos. Mas na escola do deserto aprendemos que nosso sustento vem do provedor e não da provisão.

-Quando nossa provisão acaba, Deus sabe onde estamos, para onde devemos ir e o que devemos fazer. A nossa fonte pode secar, mas o manancial de Deus jamais deixa de jorrar. Os nossos recursos podem escassear, mas os celeiros de Deus continuam abarrotados. Nessas horas precisamos aprender a depender do provedor mais do que da provisão.

3. Na escola do deserto aprendemos que o treinamento de Deus tem o propósito de nos capacitar para uma grande obra

-Todas as pessoas que foram treinadas por Deus no deserto foram grandemente usadas por Deus. Quanto mais intenso é o treinamento, mais podemos ser instrumentalizados pelo Altíssimo.

-Porque Moisés foi treinado por Deus quarenta anos no deserto, pôde libertar Israel da escravidão e guiar esse povo rumo à terra prometida.

-Porque Elias foi graduado na escola do deserto pôde enfrentar, com galhardia, a fúria do ímpio rei Acabe e trazer de volta a nação apóstata para a presença de Deus.

-Porque Paulo passou três anos no deserto da Arábia, ele foi preparado por Deus para ser o maior líder do Cristianismo.

-Quando Deus nos leva para o deserto é para nos equipar e depois nos usar com graça e poder em sua obra.

-Deus não desperdiça sofrimento na vida dos seus filhos. Ele os treina na escola do deserto e depois os usa com grande poder na sua obra.

-Não precisamos ter medo do deserto, se aquele que nos leva para essa escola está no comando desse treinamento.

-O programa do deserto é intenso. O curso é muito puxado. Mas, aqueles que se graduam nessa escola são instrumentalizados e grandemente usados por Deus!

Pr. Hernandes Dias Lopes

22 de julho de 2013

A Banalização da Santidade

Lá está você. Chegou com seu All Star sujo em uma Sala Vip, sua mochila rasgada e pesada, cheia de pecados, de suas dores, de sua memória. Como disse no artigo anterior, você não conhecia seu Pai, não sabia quem era nem mesmo você e não sabia pra onde estava indo. De repente alguém dentro da Sala te disse: “Se você tiver uma vida de santidade, você terá uma viagem abençoada!”. Em outras palavras, alguém que disse que se manter puro até seu casamento, faria com que você tivesse um casamento abençoado. E nesse momento, você começou a se esforçar pra que isso acontecesse. Concorda? Pois bem, você está buscando “santidade” para ter seu relacionamento abençoado. Se eu não transar antes do casamento então terei um casamento feliz. Verdade? Sim. Mas totalmente ineficaz se a intenção do seu coração for errada e se você não atentar para amplitude do que é ser Santo.
A Palavra de Deus diz: Sede Santos, por que Eu Sou Santo,(1 Pedro 1,16). No entanto estamos “sendo santos” apenas por que disseram pra gente que se não formos, não seremos felizes em nosso casamento. E mais, as pessoas estão associando Santidade somente nas questões sexuais. Santidade engloba todas as áreas da sua vida: Santidade engloba auxilio aos necessitados, engloba o controle da sua língua, engloba testemunho de vida e não apenas isso, não deve ser buscada por que você queira ter um casamento abençoado, mas por que Deus é Santo e nós devemos ser. Compreende? Seu foco não deve ser o que você vai ganhar obedecendo a Deus e sim, fazer por que o ama. Independente se vai ganhar alguma coisa ou não. Ser Santo por que ELE é Santo e não pra ter algo em consequência. Se essa era a intenção do coração até aqui, precisamos nos arrepender.
Não é de hoje que ouço alguns jovens dizerem: “Não entendo por que a minha benção ainda não chegou. Mesmo ‘santificado-me’, eu tenho me mantido puro, tenho me consagrado e Deus não tem me dado nada, Deus não tem trazido pra mim  a pessoa D’Ele!”. Gente como dói ver essas situações. Jovens frustrados, castrados em seus sonhos, sem motivação e incrédulos, sem ter mais confiança em Deus, por que um dia alguém mentiu a eles dizendo, seja santo na vida sexual e você terá uma vida feliz relacional e só isso. Frustração. Esse é o sentimento gerado por quem busca santidade de forma errada pelos motivos errados. Ser Santo é uma demonstração de Amor a Deus por quem Ele é, não pelo que Ele faz, ser Santo não é somente se abster de sexo, mas também se abster de tudo aquilo que nos afasta de Deus. Santidade, significa ser separado. É impossível ser um homem santo e não ter alegria, independente da situação. É impossível ser santo e não ter confiança que Deus trará no tempo certo a Vontade D’Ele.
Santidade não é apenas o que você deixa de fazer, mas atos de justiça. Ações de amor, de cuidado de preocupação com o próximo, falaremos muito disso em outro momento. Por hora é imprescindível quebrarmos com a mentira de que se você fizer algo a Deus, Ele tem obrigação de te dar alguma coisa. E se você pensa assim, arrependa-se. Deus fará aquilo que é o melhor pra nós, melhor do que achamos. No decorrer das postagens você vai descobri que seu sofrimento não vem da ausência de relacionamento. Muitos jovens cristãos, estão desesperados para ter um relacionamento para afanar a dor de suas almas. Ao longo de nossa caminhada, vamos descobrir que areas em nossa vida precisam ser transformadas antes de termos alguém ao lado e cada uma dessas areas será tratada aqui.
Existem áreas em nossa vida que precisam ser tratadas, tanto na alma quanto no corpo. Existem pendências na área familiar que precisam ser reparadas. A Sala de Espera é o lugar do tratamento de Deus, onde Ele vai te curar dos traumas, da ansiedade, da angustia, vai jogar fora sua mala velha cheia de pecado, vai tratar esses pecados. Gente, pelo amor de Deus, atentem para o que digo a vocês, querer um relacionamento só por que precisa de alguém do lado, é como pedir pra carregar duas malas, quando não se consegue carregar nem mesmo uma. E se você insistir de ter, mesmo não sendo a hora, você tem um inimigo que tem um arsenal de bandejas pra te oferecer. Não tem como buscar um relacionamento estando com a vida destruída, você entrará em um matrimônio, para destruir a sua vida, a do seu cônjuge e dos filhos. Enquanto você espera, busque em Deus, qual a vontade D’Ele pra você. Quais os erros que você precisa tratar. Quais os pecados que precisa abandonar. Quais os traumas que ELE quer curar na sua vida. Nós vamos falar de pecado abertamente, vamos falar de dores na alma, e vamos ajudá-lo a livre da mala velha, esperar tranquilamente ou embarcar numa viagem muito bem acompanhado, mas saudável e com condições de ter uma vida feliz ao lado de quem ama. 

ENQUANTO O AMOR NÃO CHEGA...

Construir o verdadeiro amor na sua vida (porque o amor começa em você primeiro) é como construir uma casa, ela começa a ser edificada pelo porão, lugar onde você se vê no escuro, sem perceber suas falhas, sem saber ao certo aonde você quer chegar. É uma fase de muitos erros e insegurança na vida sentimental, onde falta-nos o amor próprio. Você vive isso até que Deus abra o seus olhos e  então passa para o primeiro andar da casa do amor e se dá por conta que precisa crescer muito em relação ao amor, porém ainda não sabe como. Só Deus é capaz de te tirar do porão emocional, porque você estava cego lá.
Você sobe para o segundo andar do amor quando decide se abrir para a cura através do PERDÃO e da RENÚNCIA em relação aos relacionamentos desastrosos do passado. É um período dolorido que dá a sensação de que você não vai suportar, mas depois que coloca em prática o perdão e a renúncia, o tempo juntamente com a ação do Espírito Santo, trazem cura para sua alma. A partir daí você começa a reconstruir sua autoestima, o que exige muita paciência, então você entra no terceiro andar do amor.
O terceiro andar é onde a mudança realmente acontece. Neste momento, a renúncia já não é mais algo tão difícil, você está se aperfeiçoando. Nesta fase você precisa aprender que amar a si mesmo é fundamental para amar o outro. A própria bíblia diz que devemos amar o próximo como amamos a nós mesmos, porém muitas vezes nós não aprendemos a amamos nem a  nós mesmos ainda e isso reflete na forma como amamos o outro. Você precisa buscar crescimento interno, emocional e espiritual. Você precisa se reconhecer como valioso e digno, cheio de amor e de escolhas CONSCIENTES. É preciso eliminar a essência do desespero, da dúvida, do medo e da solidão.
Você precisa diminuir o ritmo para não se decepcionar novamente. Estar solteiro significa viver um meio tempo antes de viver um grande amor! O meio tempo serve para reconstruir sua autoestima, e além de preparatório também é protetor! Neste meio tempo você descobre que o amor que você busca está, primeiro, dentro de você e que nenhum relacionamento com alguém pode desenterrá-lo e ativá-lo na sua vida, é você quem, primeiro, deve tomar posse dele. O tempo de espera é indispensável para construir nossa autoestima e a liberdade necessárias para fazermos as escolhas que nos façam felizes. Sua autoestima e amor próprio serão como um íma que atrairá pessoas semelhantes até você. Então você está pronto para subir ao sótão da casa do amor: o amor incondicional, descrito em 1Co 13.

Desmistificando paradigmas:                                                  
·         O amor raramente surge nos lugares que esperamos e nem tem a aparência que imaginamos;
·         O processo de aprendizagem inclui experiências dolorosas que ajudam a eliminar falsas necessidades e tudo o que nos atrapalha na busca do amor;
·         O que nos impede de ter uma experiência de amor verdadeira e honesta são os velhos conceitos que nos agarramos;
·         O processo de aprendizagem é assim: conseguimos o que queremos apenas para descobrir que não era como pensávamos;
·         A verdade é que o amor está dentro de você e que nenhum relacionamento com alguém pode desenterrá-lo e ativá-lo na sua vida, é você quem, primeiro, deve tomar posse dele;
·         O que você passa em um relacionamento amoroso irá aparecer em todas as outras áreas da sua vida;
·         O meio tempo é indispensável para construir nossa autoestima e a liberdade necessárias para fazermos as escolhas que nos faça felizes;
·         Entramos num relacionamento procurando o amor sem saber que já temos que trazê-lo conosco;
·         Temos que levar para o relacionamento entusiasmos e respeito por nós mesmos, assim poderemos compartilhar o que possuímos sem medo de sermos roubados;
·         As pessoas não conseguem preencher nossas necessidades, mesmo que tentem.

 Algumas coisas comuns e lamentáveis que fazemos quando estamos procurando o amor (do nosso jeito, sem uma direção de Deus):

1.       Todos os sinais indicam que não é a pessoa certa, mas você ignora e continua insistindo;
2.       Por medo de ficar sozinho, aceitamos a primeira pessoa que aparece apenas para sermos abandonados, derrotados e enganados;
3.       Confundimos amizade  e gentileza com amor romântico;
4.       Ficamos presos a aparências e promessas;
5.       Quando uma pessoa demonstra interesse por nós, correspondemos mesmo sem saber se é o que queremos;
6.       Permanecemos num relacionamento mesmo quando o parceiro não decide superar as dificuldades;
7.       O que sabemos e acreditamos sobre o amor se revelam através das nossas atitudes.

Portanto, chega de ficarmos estagnados no porão sentimental!  Deus quer curar os seus sentimentos e restaurar seus sonhos! Entregue esta área da sua vida ao Senhor. Peça que Ele o conduza nesse processo de aprendizagem do amor.

(Texto inspirado no livro Enquanto o amor não vem, de Yanla Vanzant.)
Simone Messina

O PRIMEIRO PASSO TÃO ASSUSTADOR

  • O que é o primeiro passo? É sair da zona de conforto. Sair de cerquinha do papai e da mamãe. Essa questão de primeiro passo é muito interessante, pois quando você pede a uma pessoa para fazer algo diferente em sua vida, você está mexendo em tudo que ela não quer que mexa, na sua zona de conforto. Primeiro passo então nessa reflexão será tratada como sua primeira busca por novas possibilidades.

  • Tem pessoas que se orgulham de nunca terem fracassado na vida. De certa forma, as pessoas que falam essa frase tão clássica estão certas, pois nunca fracassaram mesmo, entretanto temos que ver algo: geralmente são pessoas que nunca se aventuraram em experiências diferentes e nunca deixaram seu mundo de felicidade e aconchego. Por isso entendo que esse tema é muito legal, porque incentiva as pessoas a buscarem novas experiências através do primeiro passo tão assustador em rumo ao desconhecido e infinito, pois cada vez que você avança mais e mais em novas experiências, percebe que isso é uma apenas uma fagulha em meio às infinitas possibilidades.  Então meu amigo, se você se enquadra nesse pensamento ridículo, vislumbre novas possibilidades pra você, ou você vai me dizer que você é perfeito e não precisa melhorar em nada?

  • Dentro dos limites da cerca tudo é fácil, quero ver do lado de fora. Novas experiências poderão ser assustadoras para muitas pessoas, porém também poderão ser muito emocionantes, e é isso que devemos enfatizar, a emoção das novas possibilidades. TUDO MUNDO JÁ PASSOU POR ESSE TIPO DE SITUAÇÃO. Todos que venceram em suas vidas um dia tiveram que sair de dentro de suas cerquinhas de conforto. Dentro dos limites da cerca é fácil, agora quer ver fora. Fora você se aventura num mundo de possibilidades e experiências e isso é muito fantástico, pois é só assim que as pessoas vão amadurecer, principalmente adolescentes e jovens. Suas novas experiências de vida servirão de motor para o amadurecimento na vida.

  • Dica: vença o medo da fraqueza, da derrota, do desconhecido e da humilhação. Conforme já mencionei acima, muitas pessoas não fracassam na vida porque nunca se aventuraram em novas experiências e muitas destas pessoas principalmente pelo medo da derrota, do desconhecido, da humilhação do possível fracasso. Quanto a isso a Bíblia diz que “sem fé é impossível agradar a Deus”, Hb 11,6, então entendemos que a fé é algo indispensável para você agradar a Deus e nesse caso especifico, é fundamental para você dar o primeiro passo e deixar de lado seu medo. Lembre-se que DEUS TRABALHA EM MEIO AS NOSSAS FRAQUEZAS PARA REALIZAR COISAS GRANDES. Talvez você nem imagina o que Deus tem para sua vida, basta apenas você dar um primeiro passo de coragem para Deus abençoar você. Ainda quanto ao medo, algumas pessoas dizem: não sou tão bom quanto... (excluindo o Espírito de Deus em sua vida), menosprezando a si mesmo em comparação com outras pessoas. Pare com isso meu amigo, pois isso não levará você a lugar nenhum! Outros dizem: não tenho recursos para... (falta de fé) e mais uma vez deixam de realizar seus projetos por medo de faltar recursos. Pense comigo. Já imaginou Noé quando Deus lhe deu a ordem de construir a Arca. Devemos pensar que na sua época não existia serraria e não existia os pregos da Gerdau (rsrs). Pois bem; já pensou se Noé tivesse dado a desculpa esfarrapada de que não tinha recursos necessários.

  • Só alcançamos sucesso e excelência quando estamos dispostos a fracassar. Essa é uma grande verdade que, se eu pudesse, excluía da minha vida, mas infelizmente não posso. Então, caso você queira buscar a excelência e dar o primeiro passo, esteja disposto a errar, pois quase nada na vida se faz sem esforço. Ai você pode pensar: meu futuro é incerto. Não importa meu amigo. O que realmente importa é que o teu Deus é conhecido e isso basta para você.




COMO ALGUÉM LHE AMA!

Um dos sentimentos que mais influenciam nossa vida é o amor. Buscamos diariamente amar e ser amado. Nos lançamos como objeto amoroso, como explica a psicanálise, e buscamos a reciprocidade a tal ato. Pelo fato do ser humano, sempre faltar algo em sua vida, o amor se manifesta na pessoa amada, pois está expressa à falta que se busca.
Estamos acostumados, e isso é uma tendência carnal, a amar uma pessoa “se”, “quando” ou “porque”. Pergunte a um casal qual o motivo deles se amarem! A resposta será algo assim: Eu amo ela(e) porque..., Eu amo quando fulana faz... percebe-se que há um enredo condicional, ou seja, se não houver uma resposta adequada a oferta proposta por um dos pares, a sensação é falta ou um quase amor. Então podemos afirmar que condicionamos o nosso amor para podermos viver com uma pessoa, pois nem sempre ele nos responderá como esperamos.
Todavia, quero lhe apresentar agora um amor diferente. Um amor incondicional. Onde quem ama, lhe ama porque quer lhe amar e não importa o que você faça lhe amará pra sempre.
Certa vez numa estrada um trem percorria sua rota normal ruma à cidade vizinha, cerca de 50 km de distância. Este trem tinha cerca de 100 passageiros, sendo 8 (oito) velhinhos cheios de rugas, 12 (doze) bebês, 1 (um) casal indo para a lua-de-mel, 6 (seis) casais divorciados, 27 (vinte e sete) famílias. Nessas famílias tinham alguns adolescentes, crianças de pré-escola e alguns universitários. Os pais trabalhavam como advogados, médicos, construtores e alguns estavam desempregados. Isso também era semelhante às mulheres.
Algumas pessoas se prostituiam, outras eram arrogantes e humilhavam os outros em seus respectivos trabalhos, outras agressivas com os pais. Tinha cerca 5 (cinco) drogados ali também, que planejavam roubar os velhinhos. Poucas pessoas eram de boa conduta.
Até esse ponto a história é bem normal. Restando cerca de 5 km pra o final da viagem, a ponte levadiça que separa as cidades ainda estava de pé, pois o responsável em baixar estava dando atenção ao seu único filho. Ao perceber que o trem se aproximava, ele foi rapidamente pra a torre a fim de baixar a alavanca, e assim fazer com que a ponte descesse e o trem chegasse ao seu trajeto final.
O trem se aproximava rapidamente e as pessoas estavam tão distraídas que não percebiam que ali exista um abismo. O Senhor apertou o botão pra a ponte baixar, mas nada aconteceu, pois naquele momento a trava manual, que ficava entre o eixo da ponte precisava ser ajustada. O pai quando olhou ao seu redor pra procurar o seu filho percebeu que ele não estava mais ali. O filho sabia que a única solução para a ponte baixar era reparar a falha. Ele correu e foi até o local.
Naquele instante o pai olhou para o filho e o filho chorou, pois no momento do conserto a ponte o esmagaria. Ele precisa escolher em dar a sua vida para salvar todos os passageiros ou salvar a sua vida. O filho tinha 33 anos naquela época, ele conhecia as pessoas do trem, pois sempre a lista dos passageiros lhe era entregue antes de cada viagem.
Naquele dia o Pai e o Filho se olharam e o filho se sacrificou, pois tanto Pai como Filho, amavam as pessoas do trem e sabiam que valia a pena morrer pra salvar muitos.
Essa história parece ser mentira algumas vezes, pois ela é muito forte, mas quando você lê na Bíblia em João 3.16:
“Por que Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu único filho para que todo aquele que nEle crê não perece, mas tenha a vida eterna.”
 
Você perceberá que o amor de Deus por você não depende de quem você é ou de sua condição. Depende dEle. Ele quis dar a vida pra que você possa chegar ao final da estrada. Ter vida Eterna. Cabe somente a você agora dar a sua vida pra Ele. Se entregar totalmente a aquele que lhe ama com toda intensidade. Jesus te ama e sempre te amou. Busque-o enquanto você ainda pode, enquanto você tem vida.
Você pode brincar a vida toda sendo um Cristão de boca pra fora. Ser uma pessoa que vive de modo superficial! Só que sua vida no final terá game over se você tiver brincado de ser alguém que você não é. Brincar assim é considerar o sacrifício de Jesus na CRUZ em vão, sem valor. E como se a morte do Filho no trilho não valesse a pena. Pense nisso?

E AÍ JOSÉ?

Você consegue se lembrar de algum sonho que você tinha quando era criança? Você pode pensar em um sonho que deixou morrer por que teve medo? Você pode relatar a quantidade de coisas que você quis fazer e não fez? Você está no lugar onde você queria estar? Hoje quero te perguntar uma coisa ainda mais importante: O que faz o seu coração bater mais forte?
 
Todos nós temos algo no qual sempre que pensamos nosso coração arde, é como se um jato de adrenalina fosse liberado em nós e subitamente ficamos dispostos tudo o que queremos é realizar o sonho. Então, qual é o seu sonho?
 
Sempre ministrei sobre sonhos, por vezes esse era o único assunto no qual eu falava. Sonhar é minha marca. Um dia alguém me disse que apenas sonhar não bastava, era necessário realizar. Era preciso ir além e fazer. Hoje eu também quero te dizer isso: NÃO BASTA APENAS SONHAR, É NECESSÁRIO REALIZAR.

 
Pessoas que apenas sonham, mas não realizam vivem na ilusão. É como se sempre tivessem um sonho novo para nos contar, mas nunca as vemos vivendo os sonhos.
 
Já me fiz e continuo a me fazer as perguntas acima, acredito que é essencial pensarmos sobre onde estamos e para onde queremos ir, é muito valoroso sempre reavaliarmos nossos sonhos e descobrirmos se estamos fazendo aquilo que sempre quisemos. Decidi que não queria apenas sonhar, mas viver o meu sonho.
 
Tenho ainda duas outras perguntas para você: Você tem feito aquilo que sempre sonhou ou aquilo que os outros sempre sonharam para você? E ainda mais, você tem feito aquilo que Deus sonhou para você?
 
À algum tempo atrás eu me fiz essas perguntas. Eu estava em uma fase de transição, saindo dos 17 e entrando nos sonhados 18 anos. Coloquei o meu coração alinhado com o coração de Deus, e Ele tem me surpreendido todos os dias. Uma das surpresas dEle para mim? Ele me deu a oportunidade de compartilhar esse texto com vocês hoje.
 
Sempre me faço e refaço essas perguntas, realinhando o meu coração com o coração dEle. Hoje uma amiga querida me disse algo muito importante: nossos sonhos não devem apenas nos satisfazer na Terra, mas refletir no Reino de Deus também. Entendo que como pessoas que seguem a Cristo devemos pensar que nossos sonhos devem produzir um impacto no céu, como levar a Palavra de Deus para outras pessoas, engrandecer o nome do Senhor e ser canal do fluir dEle.
 
Você se lembra de José? Exatamente, o José da Bíblia, que viveu no Egito, foi preso, interpretou sonhos e depois se tornou governador do Egito. Não tem como falarmos de sonhos sem falarmos dele. José tinha um sonho e viveu muitas dificuldades até que o sonho se realizasse. O mais interessante é que José viveu o sonho de Deus para ele e se tornou grande em todo o Egito. Ele seguiu a direção do Pai para a vida dele e por isso foi bem sucedido na promessa.
 
Você quer ser como José? Ouvir a direção de Deus, seguir o caminho dEle e viver o sonho que Ele tem para você? E ai José? Pare de ficar esperando as coisas acontecerem, não viva como um ilusionista.
 
Seja um sonhador, mas seja principalmente um realizador de sonhos. Viva o sonho de Deus para você.
 
Que Deus abençoe sua semana e que você se torne um grande realizador daquilo que Deus tem para você. É tempo de alinhar o seu coração com o coração de Deus.


Bruna Thalita Silva

UM CORAÇÃO PRÓDIGO

A maioria dos cristãos conhece a história do filho prodigo (Lc 15.11-32). Nessa parábola um jovem que morava com seu irmão e seu pai, decide ir conhecer os lugares longe da casa de seu pai e lhe pedi tudo o que tem direito e vai curtir sua mocidade longe da família. Nesse momento ele deixa de honrar o seu pai, pois ao pedir sua parte da herança, ele age como se seu pai estivesse morto, pois era/é dessa forma que se resgatava uma herança. Depois de curtir a vida longe da família ele perde tudo é vive uma péssima vida e lembrar que tem um lar e decide retornar e é aceito com uma festança.(Leia a passagem e entenderá mais)
 
Eu quero refletir com vocês sobre um momento particular que ao filhos pródigos, o momento em que eles estão no lar, mas o seu coração não mais.
Você há de concordar que antes de se ter/querer algo precisamos deixar que esse desejo nasça em nosso coração, sem isso não há desejo sobre algo. Começamos ouvindo, vendo, tocando e etc.
Ao ouvirmos sobre algo que é distante, começarmos a imaginar como será ouvir aquilo que nos contam (Festas, badalações e etc.) Ao começarmos a gerar imagens e fantasias de como seria estar lá naquele local, nosso aparelho psíquico começa a desejar, por mecanismos biológicos isso também pode ser compreendido, mas prefiro o entendimento da psique(risos).
A partir dessa compreensão você entenderá como estão alguns corações dentro das igrejas. Muitas pessoas não estão no “mundo”, não são filhos pródigos. Eles prestam um bom serviço no templo/lar. Cantam, tocam, dançam, pregam e etc, porém os seus corações já não estão mais no reino, o mundo inundou, encharcou de desejos mundanos, o seu tesouro saiu das coisas eternas e agora está nas paixões deste mundo.
Creio na minha pequenez que está verdade é mais real do que nos cristãos possamos imaginar.
Examine o seu coração agora“Porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mt 6.21)
 
Quantas coisas mundanas você não gostaria de fazer e não faz, pois está no serviço cristão? Quantos lugares você gostaria de estar que não agradam o coração do Pai? Quantos desejos você gostaria de realizar que não alegram a Deus? Quantos coisas/relacionamentos/ações você gostaria de estabelecer e não pode por que os irmãos falarão?
 
 
As pessoas se afastam dos planos de Deus, de forma gradativa e, isso tem inicio quanto elas pensam que algo é bobagem, quando outras pessoas percebem que há a possibilidade do afastamento. "Não vos deixeis enganar: Más companhias corrompem bons costumes."(1 Co 15.33)
Se algumas dessas perguntas lhe remeteram a situações, cuidado porque ou o seu coração já é prodigo ou está se tornando prodigo querido(a).
 
O que fazer? Mude sua alimentação.
 
“Quanto ao mais, irmãostudo o que é verdadeirotudo o que é honestotudo o que é justotudo o que é purotudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvornisso pensai.”(Fp 4.8)
 
Antes que o seu coração se perca totalmente:

“Dá-me, filho meu, o teu coração, e os teus olhos observem os meus caminhos.”
(Pv. 23:26)


 
Gustavo Pestana

O QUARTO

Quero deixar uma palavra que li em um dos meus livros preferidos, Eu disse adeus ao namoro, em que o autor, Joshua Harris, conta sobre um sonho que teve. É um pouco extenso, mas vale muito a pena ler até o final.
Esse trecho é o início do capítulo 7 do livro.
Normalmente eu não compartilho os meus sonhos, mas eu gostaria de falar sobre um que mexeu muito comigo.

Como cristãos, nós “sabemos” certas coisas como “Jesus me ama” e “Cristo morreu pêlos pecadores”. Nós já ouvimos estas frases inúmeras vezes, mas a poeira da familiaridade pode ofuscar a glória destas verdades simples. Temos que tirar o pó e nos lembrar do poder que elas possuem, capaz de transformar vidas.

Um sonho que tive numa noite úmida ao visitar um pastor em Porto Rico me fez lembrar destas verdades. Ele resumia o que Jesus Cristo fez por mim e por você.

Eu o compartilho aqui pois precisamos de nos relembrar da graça de Deus, após um capítulo sobre a importância de lutar pela pureza. Para alguns, inclusive eu, uma discussão so­bre a pureza é um exercício de remorso – ela nos lembra da nossa impureza e das vezes em que falhamos.

Talvez você tenha estragado tudo. Talvez você reflita nas ações passadas e estremeça de remorso. A pureza parece ser uma causa perdida. Este sonho, chamado de “O Quarto”, é dedicado a você.

O quarto

Naquele estado entre estar acordado e estar sonhando, me encontrei em um quarto. Não havia nada que chamasse a atenção exceto por uma parede coberta de arquivos de gaveta com fichas. Eles eram como aqueles de biblioteca que listam os livros por autor ou assunto em ordem alfabética. Mas estes arquivos, que iam do chão ao teto e pareciam não ter fim em cada lado, tinham cabeçalhos muito diferentes. Ao me aproximar da parede de arquivos, o primeiro a me chamar a atenção foi um intitulado “Garotas de quem eu gostei”.

Eu o abri e comecei a passar o olho nas fichas. Rapidamente eu fechei a gaveta, chocado pelo fato de reconhecer os nomes que estavam escritos em cada ficha.
E então sem ninguém me contar, eu soube exatamente onde estava. Este quarto sem vida com os seus pequenos arquivos era um sistema de catalogação da minha vida. Aqui estavam anotadas as ações de cada momento meu, grande ou pequeno, com um detalhe que a minha memória não poderia igualar.

Fui tomado por uma sensação de admiração e curiosidade, acompanhada de horror, quando comecei a abrir arquivos aleatoriamente e explorar os seus conteúdos. Alguns me trouxeram alegria e agradáveis memórias; outros uma sensação de vergonha e arrependimento tão intensa que até olhava por cima do ombro para ver se havia alguém observando.

Um arquivo chamado “Amigos” estava ao lado de um marcado “Amigos a quem traí”. Os títulos variavam de mundano até os mais esquisitos. “Livros que eu li”, “Mentiras que contei”, “Conforto que ofereci”, “Piadas de que eu ri”.

Alguns eram até hilariantes na sua exatidão: “Coisas que gritei contra os meus irmãos.” De outros eu não pude rir: “Coisas que fiz movido pela raiva”, “Coisas que murmurei contra meus pais.”
Eu sempre ficava surpreso pelo conteúdo. Frequentemente havia muito mais fichas do que eu esperava. Algumas vezes havia menos do que eu desejava. Fui esmagado pelo volume completo de vida que havia vivido. Haveria a possibilidade de eu ter tido o tempo nos meus vinte anos de escrever cada uma destas milhares, possivelmente milhões, de fichas? Mas cada ficha confirmava esta verdade. Cada uma delas estava escrita com a minha própria caligrafia. Cada uma assinada com a minha assinatura.

Quando eu abri o arquivo chamado “Canções que ouvi”, eu me dei conta de que os arquivos cresciam em profundidade para caber o seu conteúdo. As fichas estavam guardadas bem apertadas, e ainda assim ao final de dois ou três metros, ainda não tinha chegado ao fundo da gaveta. Eu a fechei, envergonhado, nem tanto pela qualidade da música, mas pela enorme quantidade de tempo que eu sabia que aquele arquivo representava.
Quando cheguei a um arquivo chamado “Pensamentos Impuros”, senti um frio correr pelo corpo. Abri o arquivo apenas uns dois centímetros, sem querer testar o seu tamanho. Arrepiei com o conteúdo detalhado. Me senti mal só de pensar em que um momento como aquele tinha sido registrado.

De repente senti uma raiva quase animal. Um pensamento dominava a minha mente: “Ninguém jamais deverá ver estas fichas! Ninguém jamais deverá ver este quarto! Tenho que destruí-las!”
Com uma fúria insana puxei o arquivo para fora. O seu tamanho não importava agora. Eu tinha que esvaziá-lo e queimar as fichas. Mas ao pegar o arquivo numa ponta e batê-lo no chão, não consegui deslocar nenhuma ficha. Fiquei desesperado e tirei uma ficha, apenas para descobrir que ela era forte como o aço quando tentei rasgá-la. Derrotado e absolutamente desamparado, guardei o arquivo no seu lugar.

Apoiando a testa contra a parede, soltei um longo suspiro de autocomiseração. E então eu o vi. O título dizia: “Pessoas a quem compartilhei o evangelho.” O puxador estava mais brilhante que aqueles ao seu redor, mais novo, quase sem uso. Eu puxei a gaveta e saiu na minha mão uma pequena caixa de no máximo oito centímetros de comprimento. Eu podia contar as fichas em uma mão.

E então vieram as lágrimas. Comecei a chorar. Os soluços eram tão profundos que a dor começava no estômago e me sacudia todo. Caí de joelhos e chorei. Gritei sem constrangimento, por causa da esmagadora vergonha de tudo aquilo. As fileiras de gavetas dos arquivos giravam em meus olhos cheios de lágrimas. Ninguém jamais deveria saber deste quarto. Eu devia trancá-lo e esconder a chave.

Mas então, ao limpar as lágrimas, eu O vi. Não, por favor, Ele não. Não neste lugar. Qualquer um, menos Jesus.

Eu assistia, sem poder fazer nada, enquanto ele começava a abrir os arquivos e ler as fichas. Eu não aguentava ver a Sua reação. E nos momentos em que consegui olhar na sua face, eu vi uma tristeza mais profunda do que a minha. Parecia que Ele intuitivamente ia para as piores caixas. Por que Ele tinha que ler cada uma delas?

Finalmente Ele se virou e me olhou lá do outro lado do quarto. Ele olhou para mim cheio de compaixão nos olhos. Mas esta era uma compaixão que não me deixou irado. Abaixei a cabeça, cobri o meu rosto com as mãos e comecei a chorar de novo. Ele se aproximou e colocou o Seu braço em volta de mim. Ele poderia ter dito tantas coisas. Mas não disse uma palavra. Apenas chorou comigo.

Depois Ele se levantou e voltou para a parede de arquivos. Começando em uma ponta do quarto, ele tirou um arquivo e, de um em um, começou a assinar o Seu nome em cima do meu em cada cartão. “Nãaaaao” eu gritei, correndo em sua direção. Tudo que consegui dizer foi: “Não, não” enquanto tirava a ficha da sua mão. O nome Dele não deveria estar nestas fichas. Mas lá estava ele, escrito em vermelho tão rico, tão escuro, tão vivo. O nome de Jesus cobria o meu. Estava escrito com o Seu sangue.

Ele delicadamente pegou a ficha de volta. Ele sorriu um sorriso triste e continuou a assinar as fichas. Acho que jamais compreenderei como Ele o fez tão rapidamente, mas no próximo instante parecia que Ele fechava o último arquivo e voltava para o meu lado. Ele colocou a sua mão no meu ombro e disse:

“Está consumado!”

Me levantei, e Ele me guiou para fora do quarto.
Não havia tranca na porta. Ainda havia fichas a serem preenchidas.




Para pecadores como você e eu, existe uma boa notícia: Cristo pagou a nossa dívida. Ele cobriu o nosso pecado com o Seu sangue; Ele se esqueceu do passado. A pureza começa hoje. “Portanto, deixemos de lado as obras das trevas e revistamo-nos da armadura da luz.” (Rm 13:12) Reconhecidamente alguns terão mais para deixar de lado do que outros – mais memórias, mais sofrimentos, mais desgosto. Mas o passado não precisa determinar o futuro. Nós temos escolhas neste momen­to sobre como viveremos. Será que vamos colocar o nosso co­ração em Deus e andar em Seus caminhos? “Comportemo-nos com decência,” continua a passagem de Romanos, “…não em orgias e bebedeiras… Pelo contrário, revistam-se do Senhor Je­sus Cristo e não fiquem premeditando como satisfazer os desejos da carne.” (Rm 13:13-14)

Nenhum de nós pode se apresentar diante de Deus completamente puro. Todos somos pecadores. Mas independente de quão imundos sejam os trapos da nossa violação, em um momento de verdadeira entrega, o coração voltado para Deus perde a sua impureza. Deus nos veste na retidão de Cristo. Ele não vê mais os nossos pecados, Ele transfere a pureza de Jesus para nós. Então se veja como Deus o vê – vestido de branco radiante, puro, justificado.

Talvez você tenha um momento específico na memória que continua a atormentá-lo, algo que faz com que não se sinta merecedor do amor e perdão de Deus. Não permita que o passado seja vencedor. Esqueça-o. Não fique revivendo aquele momento ou outros como aquele. Se você se arrependeu de todos aqueles comportamentos, Deus prometeu que não mais se lembraria deles (Hb 8:12)

Siga em frente. Uma vida de pu­reza o aguarda.



Super recomendo a leitura desse livro! Eu disse adeus ao namoro, de Joshua Harris, da editora Atos.

Com amor
Pati Geiger

VOCÊ TEM FOME DE QUÊ?

Quem me segue no instagram sabe o quanto gosto de comer “besteiras”, o rango varia desde comida japonesa, quibe, coxinha, subway, milk-shake e a maravilhosa pizza de camarão. Costumo dizer: “é porque dormir da fome e comer da sono!”.
Quando o assunto é comida exótica as reações das pessoas são as mais variadas, variando  desde o entusiasmo eufórico do “Vamos comer agora!” ao “Deus me livre que eu não como isso nem me pagando!”. Faça o teste chamando uma pessoa a comer pela primeira vez ou um iniciante em comida japonesa. A primeira expressão é aquela cara de nojo e/ou rejeição, porém se esse convite é feito a amantes dessa culinária os olhos brilham e a boca começa salivar.
O que faz você salivar de fome?
O que faz você sentir nojo?
Jesus afirma que ele é o PÃO DA VIDA, ou seja, a substância necessária para estarmos nutridos de tudo o que o nos falta para viver. “E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede.” (João 6:35).
Agora o mais interessante é que você só pode se alimentar DELE, se tiver FOME dele. Eu, o pastor, os crentes ou qualquer pessoa pode lhe apresentar Jesus, mas se você não tiver fome e sede de Jesus, não pode se alimentar dele.
Muitas vezes, nós começamos a nos alimentar de coisas que nos afastam de Deus, e logo somos tendenciosos a achar que o evangelho perdeu o “sabor”, porém ele não muda e tão pouco altera o seu sabor. O que acontece é: “não estamos mais salivantes” em busca do doce mel que há nas sagradas escrituras.
Pedro responde ao ser questionado acerca de outros alimentos que não eram Cristo de uma maneira salivante da companhia de Cristo assim: “...Senhor, para quem iremos? Só tu tens as palavras de vida eterna” (João 6:68).
E você tem fome de quê? Tem se alimentado do quê?

VASO NOVO

O local é escuro, sujo, pegajoso e o cheiro: HORRÍVEL. As pessoas pra entrarem no lamaçal usam máscaras e proteções nos olhos. O que tem neste local feio: argila. E um grande detalhe você estava ou está lá. Você é a argila.
Um oleiro sabe onde deve procurar uma boa matéria prima, sua perícia é perceber o produto final antes mesmo de ser desenvolvido. Estamos falando do cara que faz vasos. Quando ele entra no lamaçal as pessoas falam que tem outros lugares melhores pra encontrar argila e no lamaçal não poderá encontrar nada de bom. Todavia ele sabe o que faz.
Ele pega a argila e sabe o que ele faz?
1º Passo: Ele retira as pequenas pedras, o lodo, a areia e o mau cheiro.  Quando nós estávamos no lamaçal do pecado, inúmeras coisas contribuíam para nossa vida estar mergulhada no pecado, principalmente nossos desejos carnais. O oleiro(Jesus) nos pega em locais que não suportávamos mais viver, dai ele começa a nos modificar, a tirar “as pedras” que doem, “a areia” que nos fere de forma sutil, “o lodo” que atrapalha nossa visão das coisas e o mau cheiro que faz sentir vergonha;
2º Passo: Ele nos coloca no centro da mesa circular. Tudo começa a girar e ele nos aperta pra nos dar forma. Parece que algo está errado, pois a sensação é de tontura e os apertos nos fazem pensar que algo está errado. Mas o oleiro está nos moldando, nos dando a melhor forma e nos direcionado aos melhores sonhos e projetos de vida;
3º Passo: Ele nos coloca no fogo. Mesmo tendo a forma que o oleiro quer é necessário sermos selados, e nesse momento o fogo age nos solidificando como vasos. É fundamental passarmos pelo fogo, pois nesse momento o vaso é testado e preparado pra ser um vaso de honra.
4º Passo: O oleiro adorna o vaso e põe um aroma suave.

Porém algumas vezes um vaso racha ou quebra, mas o oleiro não descarta nenhum vaso. Ele refaz e reconstrói novamente o vaso que é danificado.
Querido, o Senhor lhe ama e quer que você seja um lindo vaso com um cheiro suave. Pode ser que você esteja no lamaçal do pecado e quer ser transformado em um belo vaso. Olhe para cima e perceba que o oleiro está a sua procura. Pode ser também que você tenha sido quebrado ou está rachado. Lembre-se que Deus não lhe descarta e quer lhe fazer um vaso novo.
Você é o motivo da Cruz vazia, ele te escolheu.
Referência:Jeremias 18:1-6.

A AMIZADE É O MELHOR INÍCIO!


Muitos solteiros que escolhem esperar por um grande amor às vezes falham em um requisito importante que é saber cultivar boas amizades. Existem muitas pessoas que não sabem se relacionar no meio cristão onde se encontram, vivem isoladas pensando que um futuro cônjuge aparecerá de repente. Não estou aqui defendendo que precisamos fazer amizades com segundas intenções, mas sim que devemos nos relacionar bem com todas as pessoas do nosso meio, pois isso melhora as chances de conhecermos alguém que possa, um dia,  se tornar especial em nossa vida. Obviamente nem toda amizade se tornará um amor, mas é certo que todo amor saudável começa com uma amizade. Isso porque escolher um cônjuge é uma tarefa muito complexa, pois precisamos conhecer o máximo possível da pessoa com quem pretendemos passar o resto da nossa vida. As pessoas que idealizam demais alguém para casar, sem desenvolver uma amizade profunda, possuem grandes probabilidades de se frustrar nos seus relacionamentos.
Pensando na seriedade do processo de conhecer alguém para firmar uma aliança de casamento, suponho interessante conhecer os níveis de amizade descritos pelo ministro Myles Munroe que valem para todos os relacionamentos com as pessoas em geral:
A primeira dica para construir amizades é sempre levar o outro a falar de si mesmo, seus interesses, sua família e só fale de você mesmo quando lhe for perguntado. Busque conhecer a posição espiritual da pessoa e seja um canal de benção na vida da pessoa, ajudando-a a alcançar seus objetivos.
O autor fala sobre os quatro níveis básicos na construção das amizades: amizade entre conhecidos, a amizade casual a amizade próxima e a amizade íntima. No nível de conhecidos a amizade é bem superficial, porém devemos encarar que cada pessoa que Deus coloca no nosso caminho tem o seu valor e precisamos discernir as razões de Deus tê-la colocado em nossas vidas, pois daí poderá surgir uma grande amizade.
O homem de muitos amigos deve mostrar-se amigável, mas há um amigo mais chegado do que um irmão. (Provérbios 18:24)
 O nível das amizades ocasionais consiste em relacionamentos baseados em interesses comuns, atividades e negócios e não tanto em emoções. É apenas uma evolução do nível de conhecidos. Para fortalecer o relacionamento os amigos devem demonstrar interesse sincero pelos problemas do outro, sendo bons ouvintes. A honestidade é essencial para nos tornar dignos da confiança do outro. A oração é a ação mais significativa que podemos ter em relação a estes amigos.
“Assim como os perfumes alegram a vida, a amizade sincera dá ânimo para viver.” (Provérbios 27:9)
O terceiro nível de amizade é o companheirismo que baseia-se em alvos mútuos e permite liberdade para surgirem projetos em conjunto visando alcançar tais alvos. No companheirismo os amigos viajam na mesma direção, compartilham valores e ideais. É neste nível que percebemos se uma pessoa pode ser um cônjuge em potencial. Uma das características deste nível de relacionamento é a liberdade de cada um contribuir com o sucesso do outro.
As feridas do amigos são recebidas como bem intencionadas, mas os beijos do inimigo não são sinceros. (Provérbios 27:6)
O último nível de relacionamento e mais profundo é a amizade íntima, na qual os amigos são comprometidos no desenvolvimento do caráter um do outro. E essa intimidade requer a liberdade de corrigir o outro para que ele alcance seus alvos. Os amigos íntimos amam-se o suficiente para não permitir o pecado, os desvios ou um caminhar incorreto.
Como o ferro com ferro se aguça, assim o homem afia o rosto do seu amigo. (Provérbios 27:17)
Em qual desses níveis você se encontra?
Seria muito imprudente da sua parte declarar amor a alguém sem conhecer o máximo da pessoa a quem se interessa, por isso seja sábio nas suas amizades, aprenda a relacionar-se bem com as pessoas e quem sabe um dia você será surpreendido por uma amizade especial que se destacará de todas as outras. Não esquecendo de que a iniciativa de se declarar, biblicamente deve partir do homem, a mulher deve ser amiga e esperar. Escolher esperar é, também, ser prudente.

Grande abraço!

Simone Messina

MULHERES QUE SABEM ESPERAR

O casamento é um sonho muito precioso para as mulheres. Por serem mais emocionais que os homens, algumas passam a vida toda idealizando o dia de viver o seu grande amor. Porém no decorrer da vida, nos deparamos com diversas situações na área sentimental que dão origem a maus hábitos na forma de se relacionar, influenciados pelo mundo, um dos piores destes, é não saber esperar e tomar iniciativas que só deveriam ser tomadas pelos homens. É especialmente sobre essa inversão de papéis nos relacionamentos, inclusive no meio cristão, que quero desenvolver este texto.
Quantas mulheres cristãs lindas estão se desvalorizando por aí, mendigando atenção, buscando atrair a sua própria maneira a atenção de um homem para se casar?
Muitos homens de Deus estão fugindo de mulheres que se demonstram desesperadas, pois eles foram criados para conquistar e não para serem conquistados, porém muitas mulheres estão tomando a iniciativa de sair se declarando para os homens, inclusive nas igrejas. Isso fere princípios e faz com que muitas mulheres sintam-se desvalorizadas.
Mulheres de Deus, valorizem-se, por favor! Tenham postura de mulher virtuosa! 
Uma das mais belas histórias de amor relatadas na bíblia é a de Isaque e Rebeca. Rebeca teve uma postura de uma legítima mulher de Deus. Ela estava ocupada quando foi encontrada pelo servo de Isaque e ainda demonstrou-se serva quando serviu-lhe água. Sua atitude de mulher de Deus, fez o servo entender que ela era a mulher que Deus tinha para Isaque. Em nenhum momento vemos Rebeca se oferecendo, mas sim esperando, até sem saber que seria encontrada.  (Gênesis cap. 24)
Quer saber que atitudes práticas vocês pode ter para se desvalorizar perante um homem de Deus?  Ficar dando indiretas, olhares apaixonados. Usar roupas sensuais. Ficar tomando iniciativa de procurar os homens seja por redes sociais ou pelo telefone, ficar mandando recadinhos para ele, ficar em volta do cara o tempo todo (eles percebem isso muito bem), tentar fazer ciúmes. São coisas tão bobas, mas que passam uma péssima imagem aos homens que são de Deus, não é homens? (comentem o artigo no final)
Muitas mulheres entram em desespero ao ver o tempo passar e isso as leva a relativizar os seus critérios em relação ao seu futuro cônjuge. Tentam resolver a situação do seu jeito. Você sabe por que Sara e Abraão demoraram tantos anos para ter o filho da promessa? Porque decidiram dar um “jeitinho” para que as coisas acontecessem logo e, assim, nasceu Ismael, filho de uma serva, o que retardou a promessa do filho legítimo do casal, o Isaque. (Êxodo 16:1-15).  Como conseqüência disso, surgiram problemas de ciúmes entre Sara e a serva Agar, assim também, como as guerras causadas pela nação gerada por Ismael, sempre contra os filhos da promessa. Nada disso aconteceria, se Abraão e Sara tivessem confiado e esperado o tempo certo do cumprimento da promessa.
Quantas vezes você já tentou dar soluções próprias para a sua vida amorosa? Quantas vezes isso deu certo?
Deus não precisa da “força do seu braço” para agir em sua vida sentimental, Ele só precisa que você confie e descanse nEle.
NÃO ATRASE A SUA PROMESSA. NÃO TOME INICIATIVAS. SEJA UMA MULHER SÁBIA, ESPERE SER ENCONTRADA.
Há mulheres cristãs que estão com a sua promessa prestes a se cumprir, mas estão querendo dar um “empurrãozinho” nas circunstâncias e, por isso, estão, lamentavelmente, aumentando o seu tempo de espera.
Vou retomar o que eu escrevi no último artigo “Prevenindo decepções” porque é bastante importante frisar isso:
Mulheres!
Nunca alimente um amor a um homem que nunca se aproximou de você para ser seu amigo. Não se engane, pois um relacionamento começa, em primeiro lugar, com uma amizade sadia.
ATENÇÃO: Princesas não procuram, são encontradas!!!!

Se você admira um homem, primeiro avalie se ele é realmente um homem de Deus, firmado na Palavra e na oração. Observe o comportamento dele com as pessoas, em especial com as mulheres. Cuidado com homens que ficam “atirando para tudo o que é lado” são os chamados “irmãos metralha”, atiram para todas e não firmam compromisso com nenhuma.
 Se você não tem uma amizade com a pessoa que admira, ore para que Deus permita uma aproximação entre vocês. O ideal é que a iniciativa da amizade parta do homem. Se ele se aproximar, seja amiga, mas não fique demonstrando sentimentos sem que ele demonstre interesse primeiro. Que a amizade de vocês seja baseada em assuntos saudáveis. O seu papel, mulher de Deus, é somente esperar, orar e estar aberta para amizades. Espere até que ele tome a iniciativa de convidá-la para ORAR pelo relacionamento. Se a amizade crescer, cuidado para não cair em tentação sexual, pois o sexo antes do casamento já destruiu a vida emocional de muitas mulheres por aí, não são poucos os e-mails de pessoas que me relatam que depois que se relacionaram sexualmente antes do casamento, foram desprezadas pelo namorado. Não ceda. Não esqueça que no Reino de Deus não existe azaração, mas sim Compromisso sério para um futuro casamento feliz.
Creio que Deus espera de nós atitude como a de Rebeca que estava tão distraída servindo que foi surpreendida pelo pedido de casamento de Isaque. Que sejamos mulheres que esperam em Deus de tal forma, que quando a pessoa certa chegar seremos surpreendidas!!!